médica de nefrologiaCistite

Doença inflamatória e infecciosa da bexiga e é frequentemente causada por germes que vêm do trato urinário. Um outro tipo de cistite é a causada em pacientes que fazem radioterapia nos órgãos pélvicos; esses estão sujeitos a contrair a cistite rádica. Outro tipo de cistite é a cistite intersiticial que não tem uma causa conhecida. É uma inflamação crônica e diminui a capacidade da bexiga, causando dor e desconforto.

Os pacientes sentem dor na bexiga (cistalgia), ardência e dificuldade para urinar (disúria). A urina pode apresentar sangue, além de dores lombares e irritação. A febre não é um sintoma comum em adultos, já em crianças pode ocorrer. O exame mais importante para se obter o diagnóstico é a urocultura com antibiograma. Ele fará o diagnóstico entre uma cistite infecciosa e uma não infecciosa. O exame verifica a bactéria e dessa forma orienta sobre o melhor antibiótico para o tratamento. Se a urocultura não apontar a presença de germes, é mais provável que a doença não seja infecciosa. 

Quando diagnosticada uma cistite infecciosa, deve-se procurar a causa. Exames de imagem e cistoscopia devem ser solicitados. Tanto para a infecciosa como a cistite não infecciosa, a abordagem diagnóstica varia conforme a idade e o sexo do paciente. Nas cistites infecciosas, o tratamento é feito com antibióticos escolhidos com base no resultado da urocultura. Já as cistites não infecciosas utilizam diversos recursos, como analgésicos, anti-inflamatórios, anti-espasmódicos e anestésicos. Nos casos extremos, como na cistite intersticial, a bexiga é retirada.

O prognóstico para as cistites infecciosas é grande e sua reincidência em mulheres é elevada. Nesse caso, muitos médicos utilizam o uso prolongado de antibióticos a fim de evitar que se repita. A cistite intersticial é muito difícil, já que não tem causa conhecida e isso dificulta muito o tratamento. A incidência de cistite rádica tem diminuído, pois os aparelhos para a radioterapia estão mais modernos.

Manter a área genital limpa reduz a chance de bactérias da área retal para a uretra. O aumento na ingestão de líquidos ajuda na frequência de idas ao banheiro, o que ajuda a eliminar as bactérias da bexiga. Deixar de ir ao banheiro por um longo período de tempo pode ajudar a bactéria a se multiplicar. As possíveis complicações da cistite são: infecção do trato urinário, pielonefrite (infecção do trato urinário) e insuficiência renal aguda.

Sintomas da cistite:

  • Pressão na pélvis inferior;
  • Necessidade de urinar frequente;
  • Necessidade de urinar pela noite;
  • Cor anormal da urina;
  • Sangue na urina;
  • Odor forte na urina.

Nefrite

Processo inflamatório dos glomérulos renais e é responsável por 50% das doenças renais. A doença ocorre quando uma substância estranha entra na circulação e é encaminhada aos setores de defesa do nosso corpo. O corpo, dessa forma, produz um anticorpo para se defender do agressor (antígeno) e a reunião dos dois forma um complexo solúvel que, ao circular pelo organismo, pode depositar-se nos tecidos, formando lesões inflamatórias. Quando o tecido atingido é um glomérulo, a lesão chama-se glomerulonefrite. 

A nefrite apresenta-se de forma crônica e aguda. Na forma aguda, ocorre sangue na urina e albumina (proteinúria), edemas pelo corpo e hipertensão arterial. Após seis meses na forma aguda, a nefrite cronifica, sendo que a cronificação pode levar anos. As suas causas mais comuns são de origem infecciosa que são provocadas por qualquer micro-organismo (malária, tifo, salmonela, herpes e outros vírus e bactérias) que formem o complexo antígeno-anticorpo e atinjam o rim. Existem as causas não infecciosas que podem ser provocadas por doenças de vários órgãos ou por uso de certos medicamentos.

As nefrites agudas exigem apenas repouso e cuidados com o uso excessivo de água e sal. Após a fase aguda, deve-se tratar o processo inflamatório para a redução da formação do complexo antígeno-anticorpo, que danifica o rim. Esse procedimento é feito com o uso de anti-inflamatórios esteroides e não esteroides e imunossupressores. Na nefrite crônica, necessita de cuidados maiores. Cortisona e outras drogas são utilizadas com a supervisão de um medico, além de uma dieta com restrições de proteína, potássio e sal.

 Dependendo da região afetada, podemos classificar a Nefrite como:

  Glomerulonefrite: a forma mais comum de nefrite. E como o glomérulo é a parte do rim responsável pela filtragem, a doença irá interferir na capacidade do órgão de filtrar impurezas que constam no corpo humano.

Nefrite lúpica: também afeta o glomérulo em pacientes com lúpus erimetatoso sistêmico.

Vasculite: quando o complexo antígeno-anticorpo vai para a corrente sanguínea e se instala nos vasos sanguíneos.

Nefrite tubulointersticial: quando ocorre a inflamação no tubulointersticial. A sua causa mais comum em sua forma aguda é o uso de medicamento que causem alergia ou intoxicação. Já a forma crônica é contraída no uso prolongado de medicamentos e/ou substâncias tóxicas.

Tratamento para pielonefritePielonefrite

Tratando a pielonefrite. Infecção do trato urinário, que envolve o rim e geralmente é causado por bactérias provenientes da bexiga. Uma outra maneira é a infecção causada em outro local do organismo que pode ser levada pela corrente sanguínea até o rim. Os sintomas podem ocorrer de forma aguda ou crônica. O paciente sente dor no rim afetado, dificuldade para urinar, ardência, mal-estar, arrepios, náuseas, vômitos e febre alta.

O diagnóstico é feito com base no exame clínico feito pelo medico e um exame de urina e sangue que confirma a infecção. Depois, é feita a urocultura, que definirá o tipo de bactéria, assim como um antibiograma que antibióticos são eficientes para o tratamento. A pielonefrite crônica provoca hipertensão arterial (ou pressão arterial alta) de causa renal e insuficiência renal com necessidade de diálise.

Uretrite

Inflamação da uretra, com surgimento de sintomas e secreções. As mais comuns são as doenças sexualmente transmissíveis e são classificadas em uretrites gonocócicas e não gonocócicas. O aumento desse tipo de uretrite deve-se principalmente à promiscuidade sexual e ao uso de medicamentos por conta própria. Os sintomas podem se apresentar com dor ao urinar, secreção pela uretra, dor nas relações e frequência para urinar.

A uretrite pode ter três causas:

  • bacteriana (gonococo, clamídia, E. Coli)
  • química (espermaticida usado nas relações sexuais)
  • traumáticas (cirurgias, corpo estranho).

O diagnóstico é feito com um exame bacterioscópico e bacteriológico da secreção da uretra. As uretrites podem infeccionar outros órgãos do aparelho genital e o órgão em si pode sofrer estreitamento. Após o diagnóstico de uma uretrite infecciosa, são receitados antibióticos para o tratamento. A uretrite causada pela bactéria clamídia (Chlamydia trachomatis) é a doença sexualmente transmissível mais incidente. Estetoscópio.

Sistema Urinário

O trato urinário trata dos rins (filtram a urina), os ureteres, a bexiga (que armazena a urina) e a uretra (que leva a urina para fora). 

Rim

  • Litotripsia de onda de choque;
  • Litotripsia percutânea;
  • Cirurgia tradicional com incisão;
  • Laparoscopia.

Ureter

  • Litotripsia de onda de choque;
  • Litotripsia endoscópica;
  • Remoção endoscópica;
  • Cirurgia tradicional;
  • Laparoscopia.

Bexiga

  • Extração endoscópica ou litotripsia;
  • Cirurgia tradicional.